ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

terça-feira, 24 de novembro de 2015

ESTADO DO RIO INSTITUI LEI DO DEZEMBRO VERMELHO PARA PREVENÇÃO À AIDS


 Com mais de três mil novos casos de Aids registrados anualmente, o Estado do Rio, o segundo em incidência e letalidade da doença no país, ganhou mais uma arma de prevenção. Agora é Lei a realização de ações de conscientização que marquem o “Dezembro Vermelho”. O governo do Estado, pela nova norma, deve estabelecer meios para que o mês e a cor sejam  período e referência para que maciçamente sejam promovidas ações de prevenção à doença como acontece com o Outubro Rosa, mundialmente reconhecida como  época de intensificação da campanha de detecção precoce do câncer de mama.


A Lei 7108/15 sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão e publicada nesta segunda-feira (23.11) em Diário Oficial é de autoria do deputado estadual licenciado Bernardo Rossi (PMDB). “Como petropolitano vou sempre citar minha cidade como referência. E Petrópolis tem 100 novos casos de Aids registrados por ano. Desde que se iniciou a contagem, em 1985, até hoje são 2.512 pessoas que se contagiaram com o vírus em Petrópolis. E foi inspirado no trabalho feito pela SOS Vida, que é de nossa cidade, que apresentei a Lei que agora está em vigor para todo o Estado”, afirma Bernardo Rossi.
O objetivo da Lei é intensificar e estender, no Estado do Rio, as ações que marcam o dia 1° de Dezembro, Dia Mundial de Luta contra a Aids, já tradicional no Brasil e criado pela Assembleia Mundial de Saúde, em outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). “A meta é que associado com iniciativa privada, entidades e ONGs, o governo dê ainda mais visibilidade aos programas de prevenção”, completa Bernardo Rossi.
No país, desde que a Aids passou a ser acompanhada, foram notificados 757 mil casos. A epidemia no Brasil está estabilizada, com taxa de detecção em torno de 20,4 casos de Aids a cada 100 mil habitantes, mas isso representa cerca de 39 mil casos novos ao ano. A epidemia tem se concentrado, principalmente, entre populações vulneráveis e entre os mais jovens.
“Em menos de 10 anos, o índice de detecção entre os jovens cresceu. E o Dezembro Vermelho surge como desafio para conscientizar esta população”, aponta Bernardo Rossi. Em 2004, a taxa de detecção entre jovens, de 15 a 24 anos, era de 9,6 casos a cada 100 mil habitantes. Em 2013, a taxa de detecção foi de 12,7 casos por 100 mil habitantes, nesta faixa etária.
“A entrada da lei em vigor coincide com os 30 anos da política de prevenção à Aids no país, mas ainda é preciso muito investimento em prevenção. Queremos que o Dezembro Vermelho, seja marcante em seus 31 dias, assim como outros meses e cores associados à luta contra doenças”, aponta Bernardo Rossi.
O SOS Vida existe desde 1998 formado por soropositivos, familiares e amigos de pacientes da Aids. A entidade, que se mantém de doações, congrega profissionais voluntários que atendem pacientes, a maioria de baixa renda, em várias especialidades médicas, sobretudo psicológicas, para que os portadores do vírus tenham qualidade de vida e mantenham suas atividades profissionais e sociais.