ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

CIDADES DA REGIÃO BUSCAM AMPLIAR SISTEMAS AGROFLORESTAIS


Produtores dos municípios de Sumidouro, Trajano de Moraes, Bom Jardim, Nova Friburgo e São José do Vale do Rio Preto, na Região Serrana, estão buscando ampliar conhecimentos a fim de implantar sistemas agroflorestais (SAF) em suas propriedades. A técnica, que concilia o cultivo de diversas espécies de pequeno e grande porte, aproveita o desenvolvimento natural da floresta para potencializar a produção agrícola. Para isso, eles contam com incentivos do programa Rio Rural, da secretaria estadual de Agricultura.
Dentro desse esforço para saber como funciona o SAF, agricultores de São José do Vale do Rio Preto foram até a Região Noroeste do estado visitar locais
 onde o sistema já mostra bons resultados. Os produtores visitaram duas propriedades nos municípios de Santo Antônio de Pádua e Miracema para conhecer melhor a técnica. Segundo a engenheira agrônoma da Emater-Rio Margareth Ferreira Costa, que é técnica executora do Rio Rural no município, a ideia é utilizar o SAF para implantação da fruticultura, em conjunto com a olericultura já cultivada nas lavouras de Rio Preto. “Essas visitas possibilitam aos produtores a oportunidade de conhecer o sistema e seus resultados. O objetivo é estimular a produção agroecológica nas microbacias do município”, destacou.
 Para o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, a promoção de intercâmbios entre produtores de diferentes regiões é uma forma de valorizar a agricultura fluminense. “O primeiro passo para a transformação é a informação. Essa troca de conhecimentos, com acesso dos produtores a exemplos de sucesso, é essencial para que a sustentabilidade esteja cada vez mais presente na nossa produção agrícola”, enfatizou o secretário.

Harmonia entre horta e floresta
A primeira propriedade a ser visitada foi o Sítio Nova Aliança, na localidade de Santa Cruz, 3º distrito de Santo Antônio de Pádua, do produtor Genilson Gonçalves, que utiliza o modelo horta/floresta do SAF. Nesse tipo específico, as
 árvores potencializam o crescimento das hortaliças, produzindo sombra na medida certa. Além disso, o SAF horta/floresta é propício para o cultivo orgânico, já que as espécies naturalmente promovem o equilíbrio biológico da lavoura.
Gonçalves aderiu ao SAF em março deste ano e 35 dias após o plantio fez sua primeira colheita de alface – prazo bem menor que os habituais 55 a 60 dias. No terreno, ele intercalou a alface com a couve, aipim, brócolis, milho, entre outras culturas, além da leguminosa gliricídia (que contribui com a nutrição do solo) e o plantio de frutíferas – laranja, mamão, banana e abacate. O agricultor vende a produção em feiras e faz entregas para a merenda escolar.
Para o produtor, a utilização do SAF trouxe melhor qualidade de vida. Além estar se preparando para conquistar o selo de agricultor orgânico, ele comemora a melhoria das condições do solo. “Depois que comecei a trabalhar com o SAF, a terra ficou mais macia e saudável. Hoje, o terreno tem terra preta dá até para cavar com as mãos. Isso aumenta a produção e facilita nosso trabalho. Com relação à água, posso garantir que a economia hoje é de cerca de 40%. Antes regava a lavoura duas vezes por dia, e hoje só faço isso só no final da tarde”, comemora Genilson Gonçalves.
Em Miracema, a propriedade visitada pelos produtores foi arrendada pela engenheira agrônoma e consultora do Sebrae-RJ Ana Cristina Bittar. No local, Ana faz vários experimentos de cultivo e controle biológico de pragas. Ela já produz alface, tomate, banana, pimenta, agrião, couve, entre outros alimentos, enquanto aguarda a colheita de algumas variedades de frutíferas.
“Com o SAF é possível a proteção da floresta e do solo. O sistema também garante maior preservação da água naturalmente disponível para a agricultura. No período de seca aqui no Noroeste do estado, o SAF permite que o agricultor tenha alguma produção. Isso é usar a natureza a seu favor. Essa garantia é muito importante para o agricultor familiar”, destaca.
Por meio do SAF, os agricultores praticam diversas técnicas agroecológicas, como o plantio de leguminosas para o enriquecimento e proteção do solo, o uso de folhas e troncos da própria floresta para a adubação, bem como o manejo adequado das plantas de forma a equilibrar as diversas espécies. Com isso, os produtores diminuem e até extinguem o uso de agrotóxicos, além de melhorarem a qualidade dos alimentos produzidos.
Rosalva Pacheco Reis, de São José do Vale do Rio Preto, voltou da visita empolgada com as possibilidades do SAF. “Muito do que vimos aqui pode ser implantado na Região Serrana, com algumas adaptações para nossa realidade. Essa troca de informações e experiências é sempre produtiva e acaba gerando bons resultados para todo mundo”, concluiu a agricultora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esta notícia