PESQUISA POR MATÉRIAS

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

BERNARDO ROSSI QUER ANTECIPAÇÃO DAS OBRAS DA LIGAÇÃO BINGEN-QUITANDINHA

O prefeito Bernardo Rossi se reuniu com o presidente da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, na quarta-feira (1º), em busca de uma solução para as obras da nova pista de subida da BR-040, no trecho entre o Rio e Petrópolis. Durante a reunião, Bastos anunciou que as obras da ligação Bingen-Quitandinha podem ser antecipadas. O trecho seria o primeiro a ser concluído das obras da Nova Subida da Serra. Também participaram da reunião em Brasília o presidente da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans), Maurinho Branco, e o presidente da Câmara, Paulo Igor.



- A construção da pista deveria ter sido concluída até 2006, com recursos próprios da Concer, o que não ocorreu. O que vimos nos últimos anos foram sucessivas paralisações das obras, discussões jurídicas sobre os valores, sem nenhuma solução concreta. Petrópolis não pode arcar com as consequências desse imbróglio. A Concer, não atendendo aos apelos para as melhorias, que são obrigatórias, virou a inimiga número um de Petrópolis – destacou o diretor-presidente da CPTrans, Maurinho Branco.

Durante a reunião, Rossi solicitou a presença de um representante do município para acompanhar, de perto, toda a execução das obras. Segundo a ANTT, o projeto da nova subida da Serra está sendo revisto e a agência não vai admitir que o prazo de concessão da Concer seja prorrogado. Bastos defende, ainda, que o governo federal arque com os custos da obra, mas não se manifestou sobre um possível rompimento do contrato com a Concer.

- Estamos reavaliando o contrato porque o avanço físico das obras é muito menor do que deveria ser. Entendemos a urgência que o município tem na conclusão da nova pista - disse.

O prefeito Bernardo Rossi cobrou, ainda, o estudo de impacto urbano no Bingen, onde desembocará todo o tráfego da BR-040 quando as obras ficarem prontas, e citou os prejuízos econômicos do atraso na conclusão dos trabalhos.

- Se a obra for concluída somente em 2031, como está previsto, isso pode custar R$ 1,5 bilhão à economia, segundo estudos de impacto logístico e dos possíveis acidentes. A finalização dessa obra é crucial para o desenvolvimento do município – destacou.