ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

domingo, 26 de fevereiro de 2017

SECRETARIA DE SAÚDE FECHOU 2016 COM R$ 52,9 MILHÕES EM DÍVIDAS


Um raio-x da situação da Saúde, que aponta uma dívida de pelo menos R$ 52,9 milhões, além de problemas de infraestrutura para atendimento na rede pública e sucateamento de frota até dezembro de 2016, foi apresentado pelo secretário de Saúde,Silmar Fortes, a vereadores e representantes de unidades de saúde na noite de quinta-feira (23.02) no plenário do Palácio Amarelo. levantamento do total de dívidas do município aponta, no entanto, que o montante acumulado na área de Saúde pode ser ainda maior, chegando a superar R$ 110 milhões, considerando encargos sociais não recolhidos e juros.



“O que verificamos analisando as contas foi que dos R$ 52,9 milhões pendentes, apenas R$ 3,6 milhões encontram-se liquidados. Todo restante faltou ser empenhado, tendo em vista que os empenhos foram anulados pelos antigos gestores para adequação orçamentária. Trabalhamos agora, sob a orientação do prefeito Bernardo Rossi, de reorganizar as contas, reestruturar a rede, acabar com o desperdício e fazer com que a população seja bem assistida”, aponta Silmar Fortes.

O relatório da Secretaria de Saúde apresentado aos vereadores mostra ainda que R$ 8,9 milhões em dívidas deixadas pelos antigos gestores já foram acertadas pela nova gestão.  Além destas, somente com hospitais,mais de R$ 14 milhões pendentes foram renegociados pela atual administração sem o pagamento de juros.

“Esta prestação pública das contas é importante para dar transparência à situação da Saúde, mostrando o quadro crítico que encontramos e as medidas que estamos adotando para resolver a situação. Encontramos muitas dívidas e problemas de infraestrutura - o que já apontávamos desde o ano passado. Estamos trabalhando para organizar as contas, administrando as dívidas, renegociando e buscando reestruturar o sistema, para minimizar o impacto para a população e para que as pessoas que buscam o SUS sejam bem atendidas”, afirma o secretário de Saúde,Silmar Fortes.

Os dados sobre o endividamento da Saúde já haviam sido apresentados ao Conselho Municipal de Saúde. O diagnóstico mostra um acumulo de R$ 39,7 milhões em dívidas somente com prestadores de serviços, entre os quais o Serviço Social Alcides Carneiro, entidade que administra o Hospital Alcides Carneiro,   Cruz Vermelha, responsável pela gerencia das UPAs Centro e Cascatinha e o Hospital Santa Teresa - unidade referência em atendimentos de urgência e emergência na cidade.

O balanço mostraque dos R$ 302 milhões em recursos próprios, do Estado e da União, investidos em Saúde no ano passado, R$ 107 milhões foram disponibilizados entre setembro e dezembro.

O montante alto de despesas com folha de pagamento de funcionários, que no quadrimestre chegou a quase R$ 60 milhões – uma média de R$ 15 milhões – chamou atenção dos vereadores, assim como a dívida de R$ 13 milhões acumulada no quadrimestre referente a pagamentos do Sehac,R$ 1,8 milhão em RPAs que deixaram de ser pagos em dezembro e R$ 1,6 milhões referentes a encargos sociais e parcelas de empréstimos consignados descontados dos salários dos servidores e não repassados.

O secretário pontuou também aos vereadores problemas que prejudicaram significativamente os serviços, como a falta conectividade e de pagamento a fornecedores de medicamentos e insumos. “Isso prejudica as cotações e contratos para a entrega de materiais e prestação de serviços, pois com o débito, os fornecedores prendem as entregas”, explica.

O relatório aponta também problemas por conta do sucateamento de veículos da Secretaria de Saúde. Dos 87 existentes na rede, 33 foram encontrados quebrados pela atual gestão. Destes, cinco sãoambulância – 1/3 da frota de 15 necessária para cobrir toda cidade.

A audiência para análise de dados do último quadrimestre de 2016,que cumpre o que estabelece a Lei Complementar Nº 141/12, aconteceu na Câmara de Vereadores.


Vereadores aprovam reorganização da rede de saúde

              Durante a apresentação dos dados, os vereadores se surpreenderam com o valor da dívida, item focado pelo presidente da audiência, Justino do raio-x, e pelos vereadores Leandro Azevedo, Wanderlei Taboada e Relojão.

      O secretário de Saúde, Silmar Fortes, explicou que o mesmo questionamento foi feito aos conselheiros do ComSaúde, na reunião da última terça-feira (21.02). O presidente do conselho, Anderson Moraes Garcia, comentou que a secretaria buscará formar um conselho atuante e fiscalizador. A reorganização da rede também é fundamental para melhor gestão dos recursos da área.

          “Nós questionamos aos conselheiros como a dívida chegou a esse ponto, mas todos alegaram que não tinham conhecimento técnico para julgar os dados financeiros apresentados. Por conta disso, estimulamos que o ComSaúde tenha uma gestão mais participativa e fiscalizadora.”, anunciou.

A dívida da saúde também foi vista com preocupação entre diretor-presidente do Sehac, Jordani Ribeiro. “Já se nota diferença na Saúde em uma gestão que busca melhorar os atendimentos a população. O balanço de hoje mostra dados realistas, que podem ser agravados com o surgimento de novas dividas que ainda não foram apuradas, mas que nos apresentam um desafio de manter uma segurança para a população de que a haverá a busca constante de se melhorar a assistência e sempre manter a transparência nas contas.”, avaliou.

           O doutor em saúde coletiva e professor do Instituto de Medicina Social da UERJ, Paulo Henrique de Almeida Rodrigues, observou a falta de gestão dos recursos públicos pela gestão passada. “O município tem recursos, mas que foram mal aplicados devido à falta de planejamento. A secretaria iniciou essa nova gestão com o desafio muito grande em manter o funcionamento dos serviços, pagar as dívidas e ainda propor inovações e melhorias na rede.”, comentou.

        Uma das melhorias para o atendimento da população é a reorganização da rede de Saúde. O que o doutor Paulo Henrique pontuou como uma medida emergencial para o atual governo. “Já está nos planos da secretaria fazer um novo mapeamento da rede o que é essencial para identificarmos os serviços prestados em cada região, assim conseguiremos identificar as necessidades para melhorar a assistência à população.”, avaliou.

            Para a próxima prestação de contas, que ocorre daqui a quatro meses, o secretário de Saúde, Silmar Fortes, explicou que a apresentação, além de apresentar os dados financeiros, também revelará como estará o desenho do mapeamento da rede.

       “Hoje foi uma oportunidade da secretaria de Saúde prestar conta e apresentar como encontramos a Saúde do município. Assumimos o compromisso de reestruturar a rede, em uma nova organização, sem esquecer que vamos fazer uma conferencia que vai haver participação e envolvimento de todos para que possamos fazer as mudanças necessárias para resolvermos vários problemas de saúde do município”, disse Silmar Fortes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esta notícia