segunda-feira, 27 de março de 2017

COMDEP JÁ FEZ MANUTENÇÃO DE JARDINS EM 80 LOCAIS

A manutenção dos jardins da cidade já ocorreu em 80 locais em menos de três meses. O setor de paisagismo da Companhia Municipal de Desenvolvimento de Petrópolis (Comdep) faz corte de grama, plantio de mudas de flores e árvores, podas preventivas e corte de árvores secas e com risco de cair. Nesta semana, por exemplo, a manutenção de jardins ocorreu no Duarte da Silveira, quadra da Comunidade Oswaldo Cruz e na Rua Figueira de Mello, no Centro. Também foi feito corte de grama no Duarte da Silveira, João Xavier e Rua Nelson de Sá Earp.


O serviço de aparagem de grama ocorreu em diversos pontos da cidade: Bingen, Barão do Rio Branco, Parque Municipal de Itaipava, Hortomercado, Quitandinha, entre outros. Só de hortênsias, uma flor característica da cidade, já foram mais de 300 mudas colocadas em locais como a Praça dos Expedicionários e o Bosque do Imperador.

“Nós plantamos 60 mudas nativas atrás do Hortomercado Municipal. Fizemos o adubo e aí plantamos em meados de fevereiro. Parte das mudas já estava na Companhia e, outra, nós adquirimos para cumprir essa determinação de reflorestamento”, comentou o presidente da Comdep, Wagner Silva, que ainda explica que todos os cortes de árvores são feitos com autorização da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Meio Ambiente.

Também foram plantadas árvores em locais que precisaram ter a vegetação removida: no entorno do Hotel Quitandinha foram cinco mudas de Ipê Amarelo e seis de cerejeiras; na Praça de Cascatinha, um Pau-Brasil e um Ipê Amarelo foram colocados no lugar onde uma Paineira foi removida após ser derrubada por uma rajada de vento; na Roberto Silveira houve corte de cinco Magnólias que já estavam com tronco seco e, para o lugar, foram plantadas outras seis; já na Praça da Liberdade são duas Magnólias no lugar de uma seca que foi retirada.

Até mesmo uma ordem do Ministério Público Federal de 2013 - e que não havia sido acatada - foi cumprida pela Companhia.

 “A Comdep já fez um levantamento de 35 árvores que estão secas, mortas, mas é necessário que técnicos do Meio Ambiente façam um laudo autorizando o corte. Em vários casos também é necessário que o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) libere. Só depois que os dois órgãos dão aval, é que a gente realiza o serviço”, esclarece Wagner Silva.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

PESQUISA POR MATÉRIAS