ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

terça-feira, 28 de março de 2017

DEFESA CIVIL E MPF DISCUTEM PLANO DE ENFRENTAMENTO AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS

Visando traçar um plano de ação para redução e combate aos incêndios florestais que atingem a cidade no período de estiagem, a Secretaria de Defesa Civil e o Ministério Público Federal se reúnem com órgãos ambientais para discutir o plano de contingência de inverno. O encontro acontece no dia 6 de abril, no auditório da Universidade Católica de Petrópolis, na Rua Benjamin Constant, no Centro. Neste dia, serão definidos os planos de ação de cada umas das entidades envolvidas.

 “Com isso aperfeiçoaremos a resposta em caso de emergências. A ideia é identificarmos e mapearmos os riscos e as vulnerabilidades de cada região de preservação. Com esse trabalho também verificaremos locais seguros para servirem de alojamento adequado em caso de grandes queimadas, além de recursos materiais e humanos necessários para o serviço de proteção”, explica o secretário de Defesa Civil, coronel Paulo Renato Vaz.

O assunto é motivo de preocupação para as entidades ambientais de Petrópolis. Dados da APA-Petrópolis mostram que em 12 anos os incêndios florestais consumiram mais de 16 mil hectares de vegetação nativa em Petrópolis. Somente em 2014, o fogo se espalhou por áreas nos distritos durante 12 dias e consumiu 5.150 hectares de vegetação nativa. O coordenador e futuro secretário de Meio Ambiente, Fred Procópio, lembrou também a chegada do período de estiagem.

“A destruição da mata nativa por conta das queimadas, é preocupante pois muitas destas áreas abrigam nascentes, que ajudam a abastecer a cidade. A preservação destas áreas é fundamental para toda a população, pois a degradação compromete o abastecimento de água em toda cidade”, avaliaFred Procópio, lembrando que hoje no período de estiagem, já é possível perceber que pontos mais altos da cidade há registro de falta de água no período de estiagem.

O secretário de Defesa Civil lembra que o trabalho do órgão é antecipar a resposta em caso de emergências. “Estamos levantando um histórico da cidade, os locais mais críticos e vamos trabalhar para minimizar os efeitos dos problemas”, explicou o coronel Paulo Renato Vaz.

Serão convidados os representantes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Instituto Estadual do Ambiente (INEA), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA), Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente e os coordenadores dos Parques Naturais da cidade.

“A escassez de água já atinge as grandes cidades. As queimadas dos últimos anos atingiram áreas de nascentes em Petrópolis. Precisamos preservar esses locais para que a cidade não sofra no futuro”, disse Paulo Renato. “Já vamos começar a nos preparar. De forma organizada, conseguimos dar uma resposta mais rápida para a população”, completa Paulo Renato