| CIDADE

FIQUE EM DIA: CONTRIBUINTES TÊM ATÉ O DIA 31 PARA REGULARIZAR DÉBITOS COM A PMP

Negociações podem ser feitas de segunda a sábado, das 9h às 16 | Divulgação Com estrutura especial de atendimento montada no clube Petr...

terça-feira, 23 de maio de 2017

SEM PRESSÃO NO SERRANO, OLÍMPIO AFIRMA: "FUTEBOL É UMA CACHAÇA"

Foto: Ari Gomes 
O futebol é um esporte que move multidões, e por isso mexe com o psicológico de quem é apaixonado. Quem vive isso na pele são jogadores e técnicos, que por muitas vezes sofrem com a pressão dos torcedores presentes nos estádios. É o caso de Marcelo Olímpio, o treinador do Serrano. No clube desde o ano passado, quando conseguiu o acesso para a Segundona, o técnico de 40  anos revelou não se sentir pressionado no comando do Serrano, tradicional clube do futebol do Rio.

- Meu perfil não é de uma pessoa que sinta uma pressão. Não me sinto pressionado com nada no futebol. Fui escolhido. Não pedi para ser o treinador do Serrano, nunca. Meu patrão é o Dudu Monsanto (Eduardo Monsanto, jornalista da ESPN Brasil). Ele não vai mandar um treinador embora porque os resultados estão ruins. Ele dá esporro em programa de rede nacional com pessoas que fazem isso - explicou Olímpio, que prosseguiu.

- Quando fui escolhido, foi para fazer um trabalho a longo prazo. E já existe, tem mais de um ano. Eu não dependo do futebol e vislumbro nada com o futebol. Futebol é uma cachaça e como tenho competência organizacional, pois fui um atleta top de linha no futsal, disputando as principais competições e o país é uma potência no mundo, não me sinto pressionado em hipótese alguma - explicou o comandante.

Marcelo Olímpio seguiu a linha de raciocínio explicando o projeto de reestruturação do Serrano, que teve início em 2016, com a participação de diversas pessoas da cidade, sejam elas personalidades ou meros desconhecidos que são apaixonados pelo esporte.

- Nosso projeto se chama ''Camisa com história não morre'' e um dos objetivos é subir para a Série A em cinco anos. Venho de uma escola, que é o futsal, onde a receita é muito menor, mas a organização é muito maior. Ano passado vi que com o mínimo de organização nós conseguimos o acesso. Tudo é muito subjetivo. Tenho que ter um pouco mais de noção de o que é a Série B. Se a Série B não for bem organizada, se os clubes não se organizarem bem, minha equipe aumenta as possibilidades. De qualquer forma, temos possibilidades (de acesso), todas têm, mas temos que diluir duas vagas em 21 equipes - disse o Marcelo, que destacou ainda a tradição de camisas pesadas.

- Vamos diluindo com a tradição. Mas tradição não entra em campo, não ganha jogo. O que ganha jogo é trabalho e planejamento. Hoje trabalho com a ideia de ter uma equipe competitiva e mais à frente estipular metas diferentes. A principal meta é ter uma equipe extramamente competitiva - relatou.

Com a proximidade da Série B1, Marcelo relatou que a equipe vai usar o período extra para acertar os últimos detalhes para a estreia, lembrando dos jogos-treino realizados.

- Fizemos três amistosos e na semana que iríamos estrear, fizemos um coletivo contra o sub-20, o que nos mantém com ritmo de jogo. Cumprimos a meta nos treinamentos, e com essas duas semanas (por conta do adiamento da Série B1) o momento é de fazer ajustes das organizações defensivas e ofensivas, transições, bolas paradas e jogadas ensaiadas - disse o treinador, que também falou sobre a possibilidade da chegada de reforços.


Mais reforços? A definir
Marcelo Olímpio analisou o elenco que possui em mãos e deixou em aberto a possibilidade da chegada de mais jogadores. A tendência é que por enquanto o clube não faça novas investidas no mercado.

- Acredito que a ideia é pegar o dinheiro que se tem e otimizar. Dentro dessa otimização, caso tenha uma necessidade de contratar no meio da competição, pontualmente, pode ser que aconteça. Agora, qualquer análise minha é subjetiva porque nunca ouvi treinador em pré-temporada falar que o time está mal. Todo treinador em pré-temporada valoriza o seu produto. Por mais que ele não saiba explicar a valorização de produto, ele sabe o que é confiança, elevação de autoestima, isso tudo eles sabem. Valorizam a pré-temporada que fizeram. Não tenho como valorizar a minha pré-temporada porque tenho que ver como vai ser o aspecto emocional de hora de jogo. Hoje tenho uma equipe que atingiu metas dentro de uma pré-temporada, mas isso a gente só vai precisar executando dentro da competição.
Na Série B1, o Serrano estreia contra o Artsul, no próximo sábado (27), às 15h, no Estádio Nivaldo Pereira.

Fonte: FutRio 

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI