ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

sábado, 29 de julho de 2017

SECRETARIA FAZ CAMPANHA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO CONTRA A HEPATITE

Diagnostico precoce da doença garante a cura da hepatite C em 100% dos casos
A Secretaria de Saúde está reforçando a conscientização da população sobre a importância da prevenção e da realização do teste rápido contra hepatite B e C. O diagnóstico precoce garante em 100% dos casos, a cura contra hepatite C e nos casos da hepatite B, que não tem cura, mais qualidade de vida. Em Petrópolis há 11 pacientes em tratamento contra hepatite C e 22 realizando o acompanhamento da doença no Departamento de Doenças Infecto Parasitárias – DIP. O município segue disponibilizando a vacina contra o vírus da hepatite B em 14 unidades de saúde, com rotina de vacinação diariamente de 8 às 16h.


A Área Técnica de IST/HIV/Aids e Hepatite B e C do município registrou que entre 2016 e 2017, 98 pessoas foram diagnosticadas com hepatite C. Destas, 44 evoluíram para cura e outras 39 aguardam a avaliação dos exames que confirmam a cura. Há ainda 11 pessoas em tratamento. Foram registrados no período 03 óbitos por hepatite c e apenas 1 caso de evolução da doença para caso crônico incurável.

No município há 22 pessoas em tratamento contra hepatite b – doença que não tem cura, mas com o uso correto da medicação pode garantir um futuro com mais qualidade de vida. Ocorreram dois óbitos de 2016 a 2017 devido a agravos da doença.

As hepatites virais são doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, o que faz com que a pessoa portadora permaneça por longo tempo transmitindo a doença sem conhecimento do seu diagnóstico.

“A transmissão da hepatite A se dá pelo contágio fecal-oral que acontece frequentemente em condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos. A hepatite B se transmite através de relações sexuais desprotegidas (contato com sêmen e secreções vaginais), contato com sangue contaminado (compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam) e da mãe para o filho durante a gravidez e parto. A hepatite C é de transmissão essencialmente sanguínea, sendo por via sexual apenas quando há presença de sangue na relação sexual”, explica o secretário de Saúde, Silmar Fortes.

Diagnóstico precoce garante melhor resposta ao tratamento
A hepatite pode gerar complicações hepáticas graves que evoluem lentamente sem serem percebidas. Por isso, se faz necessário que, independente da presença ou ausência de sintomas, as pessoas realizem os testes rápidos, principalmente das hepatites B e C que podem se tornar crônicas e evoluir para cirrose hepática, câncer de fígado e até a morte da pessoa infectada.

“Quando os sintomas aparecem, os mais comuns são cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. As Hepatites B e C têm tratamento gratuito pelo SUS, sendo eficaz no controle da infecção pelo vírus B e na cura da infecção pelo vírus C”, avalia Maria Inês Ferreira, responsável pela Área Técnica de IST/HIV/Aids e Hepatite B e C

Neste ano houve um caso de uma gestante diagnosticada com hepatite B. O diagnóstico foi durante o pré-natal o que proporcionou um tratamento adequado para mãe e filho e evitou a transmissão vertical da doença.

“Em relação à gestante, além do tratamento durante o pré-natal foi administrada a imunoglobulina no recém-nascido logo após o nascimento tendo, dessa forma, evitado a contaminação por transmissão vertical.O município conta com um serviço especializado para tratamento de pessoas portadoras crônicas, onde é fornecido os medicamentos gratuitamente e se realiza o acompanhamento por médicos infectologistas do ambulatório do DIP”, anuncia Maria Inês Ferreira, responsável pela Área Técnica de IST/HIV/Aids e Hepatite B e C.

Vacina garante proteção contra hepatite B
A vacina é a única forma de se proteger contra a hepatite B. Após o nascimento é realizada a pentavalente que contempla a imunização contra hepatite B com reforço nas doses aos dois, quatro e seis meses de vida. Os adolescentes, adultos ou idosos que não receberam as doses na infância podem receber a vacina contra hepatite B que deverão ser aplicadas em três doses.

“Por determinação do Ministério da Saúde toda a população deve ser imunizadas contra a hepatite B que é o tipo da doença que não tem cura. O adulto ou adolescente que não tiver o registro da vacina deve procurar a sala de vacinação do seu bairro para receber a dose. Em caso de esquecimento do cartão o mesmo é providenciado, em segunda via, na hora bastando apenas a apresentação do documento de identidade”, explica Alessandra Cardoso, coordenadora da Epidemiologia.

Lista dos postos de Saúde e demais locais de vacinação:
*Atendimento de 8h às 16h – Com intervalo de 1 hora de almoço

Instituto da Mulher (antigo Centro de Saúde)
Rua Santos Dumont, S/Nº

PSF Alto da Serra
Rua Teresa, 2.024 (Praça Miguel Couto)

PSF São Sebastião
Rua São Sebastião nº 625

UBS Alto Independência
Rua Ângelo João Brand s/n

UBS Quitandinha
Rua General Rondon nº 400

UBS Retiro
Av. Barão do Rio Branco s/n

Ambulatório Escola
Rua Bernardo Proença nº 32

UBS Itamarati
Rua HívioNaliato nº 169

Hospital Alcides Carneiro
Rua Vigário Corrêa, 1.345

UBS Morin
Rua Pedro Ivo, n.º 81 – Morin

UBS Itaipava
Estrada Philúvio Cerqueira Rodrigues s/n

UBS Pedro do Rio
Estrada União e Indústria s/n

PSF Posse
Estrada União de Indústria nº 33.530

Coordenação Epidemiologia
Hospital Municipal Nelson de Sá Earp - Rua Paulino Afonso, 455.