ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

quinta-feira, 15 de março de 2018

HOSPITAL DE CAMPANHA ATENDE CASOS DE CONJUNTIVITE NO CENTRO

Foto: Marcello Santos
A Secretaria de Saúde, com o apoio do Corpo de Bombeiros, iniciou nesta quarta-feira (14), os atendimentos no hospital de campanha, montado para atendimento dos casos de conjuntivite. Cerca de 60 pessoas foram atendidas nas primeiras duas horas de funcionamento. O hospital é um espaço de mais de 100 metros quadrados, instalado em espaço anexo ao prédio onde funciona a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Centro.

A epidemia de conjuntivite já atingiu mais de 7 mil pessoas neste ano, em Petrópolis. Só em março, até a última terça-feira (13.03), foram atendidos 4.049 pacientes com a inflamação em toda a rede de Saúde do município. O número é quase o dobro de todo o mês de fevereiro, quando foram registrados 2.388 casos da doença.
 “Estamos enfrentando uma epidemia de conjuntivite e queremos juntar todos os esforços para atender o maior número de pessoas no menor tempo possível. Aqui, contamos com uma área totalmente equipada e preparada para receber a todos que estiverem com os sintomas da inflamação”, disse o prefeito Bernardo Rossi, ressaltando que o hospital vai funcionar em um espaço distante de onde são feitos os atendimentos da UPA, dando mais segurança para que não haja contaminação entre os próprios pacientes.
A fim de desafogar as unidades de urgência, a Secretaria de Saúde segue fazendo os atendimentos das pessoas com a doença, também, nas unidades e postos de saúde do município.
O fluxo começou a ser aplicado no último dia 7 nas Unidades Básicas de Saúde e postos com Estratégia de Saúde da Família. Por ser de fácil transmissão, a prefeitura faz um alerta para que ainda nos sintomas iniciais – coceira e ardência nos olhos –, a pessoa busque imediatamente as unidades.
O secretário de Saúde, Silmar Fortes, reforça que uma vez diagnosticada com a doença, o paciente precisa manter os itens pessoais e de higiene separado dos demais entes da família.
“É muito comum ter a contaminação de famílias inteiras com conjuntivite, pois é uma doença transmitida pelo contato. Então é importante que as pessoas não compartilhem toalhas, fronhas e objetos de uso pessoal e busquem atendimento médico logo no início dos sintomas. Quanto mais rápido for iniciado o tratamento mais cedo a pessoa estará curada”, afirma Silmar Fortes.
O coordenador médico da UPA Centro, Diogo Macedo, reforça que é importante as pessoas estarem sempre atentas aos sintomas iniciais que são os olhos vermelhos, secreção, lacrimejamento, pálpebras inchadas e sensação de areia nos olhos. Geralmente, a conjuntivite acomete ambos os olhos e os sintomas podem perdurar por até duas semanas.
 A inflamação atinge a membrana que recobre os olhos (conjuntiva) e causa um quadro de grande incômodo para os pacientes e exige tratamento imediato. Nos quadros leves é utilizado apenas um colírio com tratamento de até três dias, casos mais graves podem ser necessários o uso de anti-inflamatório, colírio e maior tempo de tratamento.
O pedreiro Joaquim Camarinho, de 65 anos, buscou o atendimento na UPA Centro nesta quarta-feira e foi direcionado para o hospital de campanha. Além dele, a esposa e os netos também tiveram a inflamação.
“No início, pensei que fosse apenas irritação pela poeira que sempre lido nas obras, mas comecei a perceber que havia algo diferente. Me falaram para procurar a tenda e realmente o espaço está muito bom. Estou satisfeito, pois aqui é um espaço mais reservado”, disse Joaquim.
 É difícil prevenir as conjuntivites, mas algumas medidas podem diminuir o risco de você adquirir uma conjuntivite, que são:
Não use maquiagem de outras pessoas (e nem empreste as suas). Evite compartilhar toalhas de rosto. Lave as mãos com frequência e não as coloque nos olhos sem higienização. Use óculos de mergulho para nadar, ou óculos de proteção se você trabalha com produtos químicos. Não use medicamentos (pomadas, colírios) sem prescrição (ou que foram indicados para outra pessoa). Evite nadar em piscinas sem cloro ou em lagos.