| PESQUISA POR MATÉRIAS

terça-feira, 19 de junho de 2018

PASSAGEM DE ÔNIBUS PASSARÁ A CUSTAR R$ 4,20 A PARTIR DO DIA 26; USUÁRIOS RIOCARD PAGARÃO MENOS

Após negar o aumento no preço da passagem de ônibus solicitado pelas empresas de transporte público para R$ 4,45, aumento de 14,1% na tarifa, a prefeitura decretou reajuste ainda menor para os usuários do RioCard, mais de 70% dos usuários de transporte público, que pagarão R$ 4,10, diferença de 5,1% no valor praticado atualmente. O decreto da administração foi publicado nesta segunda-feira (18) e o novo valor será praticado pelas operadoras a partir da próxima terça (26). O reajuste para o pagamento com o dinheiro será de 7,6%, passando para R$ 4,20. Além disso, uma tarifa especial será cobrada nos dois domingos de Bauernfest e no feriado de 29 de junho, Dia do Colono. O valor será anunciado ainda esta semana.

Na composição da tarifa, o peso maior é o do salário dos rodoviários, que significa 50% do preço da passagem. Também entram combustíveis, material de rodagem, peças e acessórios, além de custos fixos como seguros, depreciação da frota e IPVA, por exemplo. A análise da CPTrans para estabelecer o custo da tarifa é feita com base na planilha Geipot da Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes, consolidada e aplicada pelos municípios brasileiros.
Para que o novo valor fosse concedido, a CPTrans solicitou renovação anual de, ao menos, 10% da frota operante, com 35 novos ônibus entrando em circulação até dezembro. A renovação em 2018 já conta com 10 novos veículos – quatro grandes e seis micros da Cidade Real. Além disso, a Turb também anunciou para o próximo bimestre que 20 novos carros serão disponibilizados à população e a Cascatinha também terá dois novos veículos. A meta é renovação continuada para garantir melhor desempenho dos ônibus, mais qualidade de trabalho para os rodoviários e aumento de viagens – 12 mil a mais já realizadas no ano passado com a fiscalização.
Em reunião realizada sobre o assunto, o Conselho Municipal de Trânsito (Comutran) foi favorável ao limite de reajuste em 7,6%, considerando que sua aplicabilidade é importante para que o sistema de transporte público continue funcionando, mas também destacaram a importância de medidas que deverão ser aplicadas para a redução do custo da operação e consequente diminuição de reajuste futuro, como a otimização, por exemplo.
“A CPTrans tem cobrado às empresas a melhoria no transporte, ao mesmo tempo em que trabalha em projetos para redução do custo do sistema, para que os reajustes sejam inferiores ou até mesmo não existam nos próximos anos. Além disso, conseguimos a criação das linhas Diretas (linhas 780, 100 e 300) e o aumento de 20% em viagens em relação a 2016. Na prática, significa dizer que houve 12.300 itinerários cumpridos a mais que no ano anterior. E agora estamos cobrando que as empresas cumpram seus itinerários de maneira eficiente”, explica o diretor-presidente da CPTrans, Jairo Cunha.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI