| PESQUISA POR MATÉRIAS

quarta-feira, 11 de julho de 2018

DELATOR RELATA ENTREGA DE DINHEIRO A DEPUTADOS NO RIO

O empresário Leandro Camargo afirmou em delação que os deputados federais Francisco Floriano (DEM-RJ) e Júlio Lopes (PP-RJ) receberam propina do empresário Miguel Iskin, apontado como organizador do cartel internacional em pregões do Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) e da Secretaria de Saúde do Rio.

O colaborador afirmou também que os dois mantiveram uma forte disputa por cargos de direção no Into, sempre intermediada por Iskin.
A delação de Camargo, homologada pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, foi uma das bases para a Operação Ressonância, deflagrada na semana passada. Ele é dono da Per Prima, então fornecedora do Into.
O empresário relatou que Floriano pressionou o ex-diretor-geral do Into Christiano Cinelli a lhe dar propina a fim de garantir apoio político na manutenção do cargo.
Camargo se tornou um intermediário entre Cinelli, Iskin e Floriano. Foi acertado então um pagamento mensal de R$ 150 mil por mês, delatou.
A primeira parcela foi paga em duas "viagens" de Camargo, de acordo com o relato. A segunda, de R$ 50 mil, ocorreu em 6 de janeiro de 2017.
"O deputado ficou muito insatisfeito, pois disse que esperava um valor maior, visto que sabia quanto a Oscar Iskin [firma de Miguel Iskin] havia ganho no final do ano e que tomaria as providências para tirar o Miguel do esquema", afirmou o colaborador.
Floriano ameaçou ainda tirar Cinelli do cargo porque o então diretor-geral não honrou "o compromisso com a 'bancada da saúde' do Rio de Janeiro", relatou o delator.
Na semana seguinte, o deputado foi visto no Palácio do Planalto aos berros se queixando sobre a demora na nomeação de um apadrinhado no Into. "Se a Secretaria [de Governo] não resolve, então a Casa Civil vai ter que resolver. Se eu não for recebido ainda hoje, vou chutar a porta dos gabinetes", gritou o deputado, segundo relato do jornal O Globo à época.
Camargo afirma que três meses depois Iskin jantou com o deputado e acertaram a nomeação de Naasson Cavanellas, designado em abril de 2017. Naquele mês foi deflagrada a Operação Fatura Exposta, que prendeu Iskin. O empresário foi solto em dezembro, por liminar do ministro Gilmar Mendes, do STF.
De acordo com o MPF, a prisão não interrompeu as cobranças de propina. Camargo relatou que ainda sob a gestão do atual diretor, André Loyelo, foi abordado por pessoas ligadas à direção solicitando propina. O nome de Floriano foi mencionado por um deles, em janeiro deste ano. Loyelo foi preso na quarta (4).
Camargo declarou também que "presenciou quando o deputado Júlio Lopes esteve na casa de Miguel Iskin para buscar dinheiro, que foi entregue em um saco cinza, desses auto-adesivos, com uma quantia de R$ 100 mil".
A informação sobre o valor foi dada, segundo o delator, por Gustavo Estellita, sócio de Iskin. "Estellita disse que não tinha sido o primeiro pagamento feito ao deputado, que esse era mais um pagamento. Estellita disse: 'Já pagamos um puta dinheiro para esse cara e até agora não resolveu nada'", declarou Camargo à PGR.
Floriano afirmou,via assessoria, "que não conhece qualquer das pessoas citadas" e "que nunca manteve encontro com qualquer uma delas e que nunca recebeu qualquer tipo de recurso ilícito".
Ele disse ter indicado Loyelo ao cargo de diretor-geral do Into "baseado em critérios técnicos". "Em relação ao episódio no Palácio do Planalto, o parlamentar nega, como já havia feito na época, o comportamento atribuído a ele, tendo, inclusive testemunhas que confirmam sua versão."
Júlio Lopes disse que a delação de Camargo é "absurda, mirabolante". "Um sujeito que não se constrange em dizer que deu ouvidos a um comentário de outra pessoa. Não pode ser séria uma delação que se vale de fofocas insidiosas", disse em nota. 

Com informações da Folhapress.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI