| PESQUISA POR MATÉRIAS

sexta-feira, 20 de julho de 2018

PREFEITURA BLOQUEIA PAGAMENTOS PARA GARANTIR SALÁRIO EM DIA DE DO FUNCIONALISMO

Quitação de fornecedores e pagamentos de compromissos financeiros da prefeitura estão suspensos a partir desta sexta-feira (20.07) até o dia 30 de julho.  O bloqueio interno nas contas visa garantir saldo suficiente para o depósito dos salários de 12 mil servidores ativos, aposentados e pensionistas.  Com dívidas acumuladas de gestões passadas com saldo devedor ainda em R$ 685 milhões, a prefeitura vai adotar a medida todos os meses até o final do ano como forma preventiva de garantir salários.  O pagamento de fornecedores e prestador
es de serviço não será interrompido, mas escalonado e mantido sempre até o dia 20 de cada mês.
A medida está sendo tomada para garantir que o pagamento dos servidores continue sendo mantido em dia. A folha de pagamento mensal na casa dos R$ 35 milhões é uma das maiores despesas da administração pública.  “Petrópolis é atingida duas vezes: pela crise nacional e pela crise financeira ocasionada pelas gestões passadas, uma desordem nas contas públicas. A prioridade é o recurso humano, sempre, e neste caso, precisamos abraçar duas causas fundamentais que são os servidores e a população. Estamos nos esforçando para garantir salários em dia e também os serviços básicos à população”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.
Dos R$ 81 milhões em dívidas pagas pela atual gestão, R$ 68 milhões são referentes a salários e 13º salário atrasado do funcionalismo, consignados descontados e não repassados a instituições financeiras e recolhimentos obrigatórios como PIS, Pasep e FGTS.
Este mês de julho, além dos R$ 35 milhões da folha, a prefeitura ainda precisa arcar com R$ 8,7 milhões referentes a 25% do décimo terceiro salário, compromisso assumido pelo governo com entidades que representam os servidores do município.
“Temos R$ 81 milhões já pagos e outros R$ 258 milhões parcelados – medidas essenciais para manter serviços básicos, como o fornecimento de merendas às escolas e remédios em unidades de saúde, por exemplo. O déficit anual, no entanto, é de R$ 100 milhões. Levamos todos estes números às entidades que representam os servidores. Os sindicatos estão em sua posição legítima de cobrar recomposição salarial e demais benefícios ao funcionalismo, mas temos demonstrado que hoje o esforço principal é para não faltar o salário”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.
Elaine Nascimento, secretária de Fazenda, aponta que todos os esforços são para aumento de arrecadação de tributos municipais e receitas vindas de impostos estaduais como ICMS, IPVA e royalties. “Há uma oscilação nos repasses e os bloqueios internos, farão a reserva de caixa para o esforço de manter a folha em dia. Fornecedores e prestadores de serviço também continuarão recebendo, mas em datas específicas após a quitação da folha”, afirma.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI