quinta-feira, 20 de setembro de 2018

GRUPO DE TRABALHO VAI ACOMPANHAR DE PERTO OBRAS DO DNIT NA UNIÃO E INDÚSTRIA

A prefeitura instituiu um grupo de trabalho para acompanhar todo o trâmite da recuperação da Estrada União e Indústria – a principal ligação com os distritos -  desde a fase licitatória até a execução da obra, incluindo o trabalho de manutenção, previsto para começar em outubro. Além das secretarias municipais, o próprio prefeito Bernardo Rossi vai acompanhar pessoalmente todo processo.

A recuperação da estrada foi anunciada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) após muita pressão da prefeitura, em Brasília, para que a obra, de 2011, finalmente saísse do papel. Na semana passada, o órgão deu conhecimento sobre o projeto de reforma, que prevê a pavimentação de todo trecho entre a Av. Barão do Rio Brancoe Pedro do Rio (que é de responsabilidade doDnit) e melhorias no sistema de drenagem da pista.  A obra está orçada em R$ 40 milhões e deve começar em seis meses.
Antes disso, já no mês que vem, a promessa é de retomar a manutenção viária, que não vem sendo realizada desde o fim do ano passado e foi assumida, provisoriamente, pelo município. Esse trabalho, de acordo com o Dnit, terá o custo de R$ 1 milhão.
“A União e Indústria é a principal ligação entre o Centro e os distritos e é por onde passam 100 mil pessoas por dia. É uma estrada extremamente importante para o município e que precisa de melhorias, mas não apenas de pavimentação, mas também para melhorar o fluxo de trânsito. Por isso esse grupo de trabalho está sendo criado agora, antes mesmo da reforma ter início, para que a cidade possa propor soluções de mobilidade urbana também”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.
O secretário de Obras, Ronaldo Medeiros, lembra que no início desse ano foi necessário que o município realizasse a manutenção por causa do risco de acidentes.
“Entre janeiro e março, 12 quilômetros tiveram manutenção com 225 toneladas de asfalto desde o Retiro até Itaipava. No entanto, esse é um serviço que cabe ao Dnit”, ressalta.O secretário de Obras será o coordenador desse grupo de trabalho.

Projetos de mobilidade urbana preveem a utilização da União e Indústria para obras
Dois projetos de mobilidade urbana que estão sendo analisados pela prefeitura e construído com apoio da iniciativa privada preveem a utilização de trecho da estrada para obras.
Em Itaipava, além da criação de um acesso entre o Supermercado Bramile um estacionamento e o fechamento de um dos lados da rotatória próximo do Terminal de Itaipava, o projeto prevê a duplicação da pista entre o supermercado e o Shopping Estação.
Em Corrêas, a construção de uma via alternativa atrás do empreendimento habitacional Palmeiras do Prado,com uma ponte ligando até a Estrada Mineira, também prevê fazer rotatórias na União e Indústria (na região do Prado e próximo ao Seminário Diocesano).
“Também pensamos em outras questões, como a construção de baias de ônibus, alargamentos de alguns trechos e melhorias de acesso a alguns locais. É uma via com grande importância para a economia do município e ter a União e Indústria em boas condições é fundamentalpara o desenvolvimento da cidade”, diz o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini.
Além das secretarias de Obras, de Desenvolvimento Econômico e da CPTrans, a Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica também compõe este grupo de trabalho, ao lado dos empresários Jorge de Botton e Aloísio Rodrigues e do vereador Maurinho Branco.
A reforma da União e Indústria se arrasta há quase 10 anos. Em 2009, a justiça determinou que o Dnit fizesse um projeto de recuperação da estrada, o que não ocorreu e rendeu uma multa de R$ 14 milhões ao órgão. Em 2011, o projeto até foi idealizado, mas não saiu do papel. Em 2016, uma licitação foi feita, mas a vencedora abriu mão do contrato e a segunda colocada não teve interesse na obra. Desde o ano passado, a prefeitura cobra que o Dnit finalmente realize a reforma.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI